A Notícia

Sexta
31 de outubro de 2014

Época da Piracema

E-mail Imprimir PDF

Polícia do Meio Ambiente fiscaliza pesca em Muriaé e região 


Por Gabriela Marquito

Desde 1º de novembro a pesca está proibida em todos os rios do Estado. É a piracema, período de reprodução das espécies. A pesca fica proibida até o dia 28 de fevereiro de 2011 em todos os locais. Para fiscalizar a pesca neste período, a Polícia do Meio Ambiente de Muriaé está intensificando a vigilância nos rios de Muriaé e região.

A piracema é a subida dos peixes até as cabeceiras dos rios para realizarem a desova, e assim, se reproduzirem. Todos os anos, de outubro a maio, algumas espécies de pescado fazem esse longo percurso, vencendo os obstáculos naturais, como as corredeiras e cachoeiras, no intuito de perpetuar suas espécies.

A proibição protege o período de reprodução das espécies. A multa para quem desrespeitar a piracema pode chegar a R$ 1.000. O infrator também pode ser preso por até três anos e tem todo material de pesca apreendido.

No período da piracema podem ser pescados apenas os peixes não nativos, como: pescada-do-piauí, tucunaré, tilápia, bagre-africano, apaiari, carpas, catfish, caboge ou tamoatá, cachara, piranha, tambaqui e tambacu.

O policial Militar da Polícia de Meio Ambiente de Muriaé, cabo Fabiano alerta aos usuários de pesque-pague que é proibido pescar peixes nativos. Disse ainda que a empresa deve emitir nota fiscal, comprovando que o peixe foi pescado no local. “Se, por ventura, a pessoa for parada em uma blitz, ela deve mostrar a nota fiscal do peixe pescado no pesque-pague”, afirma.

Assim, até o prazo final fica proibida qualquer modalidade de pesca, exceto a científica e para fins de manejo com autorização do Instituto Estadual de Florestas (IEF), nas unidades de conservação estadual. É obrigatório o porte das licenças de pesca, em todas as categorias, para a prática da pesca no Estado.

Apreensão – De acordo com informações do militar da Polícia do Meio Ambiente, cabo Fabiano, no início da piracema duas pessoas foram presas em flagrante usando redes. O material usado e os peixes foram apreendidos e os infratores conduzidos à delegacia e multados.

No dia dois de novembro mais três redes e duas tarrafas foram apreendidas.

 

Notícias relacionadas